Resenha: Eu, o Desaparecido e a morta

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

Sinopse: Ter um pai ‘desaparecido’ já é uma situação perturbadora, mas a vida de Lucas se complica de verdade quando ele encontra Violet Park – ou melhor, a ‘morta’ – em uma decadente agência de táxis durante a madrugada. Aquele com certeza não era lugar para uma senhora falecida, e ao buscar um final menos deprimente para os restos mortais dela, Lucas vai descobrir muitas coisas sobre si mesmo.

Eu, o Desaparecido e a morta – Foto @SraFlowers

Eu, o desaparecido e a morta, sinceramente não é um titulo que me atraiu, mais me deixou bastante intrigada. Talvez se eu fosse na livraria, eu provavelmente me envolveria com outro livro e esse seria um que eu adiaria bastante para comprar. Bom, mas eu acabei fazendo a leitura dele, porque um amigo, do qual eu confio muito e me emprestou, no simples ímpeto de ”Você deve ler ele agora mesmo”.

Eu sou do tipo que leio os livros que os meus amigos me recomendam, mas tem que ser muito próximo pra mim confiar, então o Felipe Lima dono do Nook of Books me trouxe esse livro com o título muito intrigante e peculiar.

Confesso que eu não dei nada por ele, mas olha vale a pena ler até a última página. A história é narrada por Lucas, que perdeu o pai à 5 anos. Na verdade o pai dele simplesmente sumiu do mapa e a única coisa que acharam desde o desaparecimento dele, foi o seu carro abandonado, sem vestígio nenhum. Aliás ninguém fazia ideia se ele sumiu por vontade própria ou se foi morto ou qualquer coisa assim.

Eu, o Desaparecido e a morta – Foto @SraFlowers

A medida que as páginas vão passando, vamos descobrindo que Lucas não é filho único, ele tem Marcy como irmã mais velha, aquela menina rebelde e que várias vezes ele defini como ”a menina que só fica atrás do namorado”, que gosta de sexo e drogas. Jed é o mais novo e nunca conheceu o pai, já que ele desapareceu antes do seu nascimento e parece o mais desinteressado sobre o assunto. Nicky é a mãe, que mudou muito depois que o marido foi embora e por diversas vezes vemos o drama dela e praticamente sentimos a sua dor, daquela vida que foi abortada e cheia de abdicações a favor dos filhos que ela nem sabe mais se queria ter. Uma mulher que já sofreu muito mas continua lutando dia após dia.

Chegamos na hora de falar um pouco sobre Lucas. A mãe acredita que ele está virando a cópia do pai, pois veste as suas roupas e age de forma bem parecida com ele, mas acabou percebendo que isso é apenas um reflexo da perda dele. O menino acha que as pessoas estão deixando de se importar, e que logo quando o pai dele desapareceu os noticiários sempre avisavam, tinham retratos dele espalhados pela cidade e agora ninguém mais comenta sobre o caso. Peter que é o pai dele, antes de tudo isso acontecer era um homem ocupado e jornalista.

A vida de Lucas muda em uma noite quando ele está voltando para casa e em uma agência de Taxis encontra uma urna, de uma tal Violet. Ele acaba ficando intrigado com o motivo pelo qual alguém abandonaria uma urna e nunca mais voltaria para pegar.

Sem conseguir tirar Violet da cabeça, ela começa a ”aparecer” em vários lugares e do nada, parece que todo mundo conhece ela ou sabe alguma coisa sobre a sua vida. Lucas por impulso quer conseguir a urna, na intenção de dar um lugar melhor para Violet do que a agência de taxis que ela habita.

Eu, o Desaparecido e a morta – Foto @SraFlowers

Nesta parte conhecemos os avós de Lucas e principalmente Pansy que vai acabar participando do plano para recuperar Violet. O menino traça um plano de investigação para saber cada vez mais da falecida, o que ela era e o que fazia.

Não vou falar mais nada, porque eu acho que vocês devem descobrir sozinho o que aconteceu com o pai dele e de como Violet acaba entrando cada vez mais na vida desta família.

É um livro bem curtinho, se bobear vocês conseguem ler em um dia, porque ele é realmente muito pequeno e além de tudo envolvente. Eu gastei dois dias, mas porque trabalho, estudo e ainda escrevo para um site de Fórmula 1, porém a minha vontade era de terminar ele no mesmo minuto, porque eu fiquei presa até a última página.

Eu, o desaparecido e a morta, foi o livro que me deixou de queixo caído esse ano.

Eu, o Desaparecido e a morta – Foto @SraFlowers
Eu, o Desaparecido e a morta – Foto @SraFlowers
Eu, o Desaparecido e a morta – Foto @SraFlowers

Link para compra, para ajudar o blog, é só clicar na imagem ou no texto!!!

 

Título: Eu, o Desaparecido e a Morta
Autor: Jenny Valentine
Editora: Editora iD
Edição: 1ª – 2010
ISBN-13: 9788516067434
ISBN-10: 8516067432
Adicione: Skoob  Goodreads
Especificações: 183 páginas

 

 

Débora Santos Almeida

Autora de textos sobre automobilismo em especial sobre Fórmula 1, leitora voraz de livros de ficção científica, amante de Arthur C. Clarke e freqüentadora do restaurante do Douglas Adams!

Um comentário em “Resenha: Eu, o Desaparecido e a morta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: