Resenha – O Lado Bom da Vida

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

História: O livro conta a história de Pat Peoples, um ex-professor, que acaba saído de uma instituição que cuida de pessoas com problemas mentais ou o “lugar ruim”.
 
Até então não sabemos o motivo do personagem ter ficado internado, e nem quanto tempo ele passou naquele local. Esses fatos demoram algum tempo para aparecem no livro, até porque a história é narrada pelo personagem principal, como se fosse o seu diário, e as informações só vão sendo contadas conforme o próprio vai descobrindo a sua história.
 
A parte mais tocante do livro, é ele não saber o porque está afastado da sua esposa, e porque o pai evita ele. É muito triste ver o personagem praticamente rastejando atrás de informações e você acaba sentindo vontade de entrar dentro do livro para conforta-lo.
 
O mais interessante na construção de Pat, é que você percebe a sua vontade de tentar dar a volta por cima, quando demonstra a preocupação sobre a sua situação financeira, ou sobre ser dependente dos seus pais. Por isso em diversas vezes no livro ele fala sobre, estar praticando o seu lado gentil, para mostrar para as pessoas de fora que ele está bem.
 
As duas personagens femininas de mais destaque são Tiffany e a Sra. Jeanie Peoples mãe de Pat. A Tiffany é aquela personagem que você sente raiva, mas ao mesmo tempo tenta entender ela. Algumas vezes nós temos atitudes erradas com os nossos amigos, e a gente acaba por manipula-los, até mesmo para tentar ajudar. Muitas dessas vezes com a melhor das intenções, mas nem sempre as coisas saem como o planejado e é isso o que acontece com Tiffany, a gente vê ela se esforçando para fazer com que Pat coloque um ponto final em coisas que não foram resolvidas para que ele possa seguir em frente, nem sempre fazendo as melhores escolhas, mas ela faz com o que tem ao alcance das mãos. Jeanie é aquela mãe dedicada, que já passou por muita coisa na vida, mas continua lutando, seja com o filho ou com o casamento, engolindo vários sapos, mas tentando cumprir a sua função de mãe de esposa e nós conseguimos notar o amor incondicional que ela tem pelo filho.
 
As vezes a história pode parecer cansativa, por ser repetitiva, mas não se esqueça que ele é um diário. Persista na história como eu fiz e se permita sentir, amor, raiva, seja o que for, apenas sinta. O livro pode não ter um final feliz de contos de fadas, mas é na medida certa. O livro é bem diferente do filme, mas mesmo assim eu ainda acho o filme maravilhoso, mas o livro tem um conteúdo, mais bem estruturado e mais emocionante. Mesmo que você já tenha assistido ao filme, por favor abra o seu coração, porque eu tive esse sentimento de não achar necessário porque eu já amo esse filme, mas depois de ler o livro o meu amor dobrou. Um é o complemento do outro, nesse caso sem dúvidas. Até mesmo meu namorado que somente assistiu ao filme, achou que faltava uma parte na história, e realmente é isso mesmo, o final do filme é bem corrido, enquanto o final no livro é melhor construído. 
 
Sinopse: Pat Peoples, um ex-professor na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele ‘lugar ruim’, Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um ‘tempo separados’. Tentando recompor o quebra-cabeça de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com o pai se recusando a falar com ele, a esposa negando-se a aceitar revê-lo e os amigos evitando comentar o que aconteceu antes de sua internação, Pat, agora viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida.
 
 
 
 
Título: O Lado Bom da Vida
AutorMatthew Quick

Tradutora: Alexandre Raposo

Editora: Intrínseca
Edição: 1ª – 2013
Idioma: Português
ISBN-13: 9788580572773
ISBN-10: 8580572770
Adicione: Skoob Goodreads
Especificações: 256 páginas

 
 

Débora Santos Almeida

Autora de textos sobre automobilismo em especial sobre Fórmula 1, leitora voraz de livros de ficção científica, amante de Arthur C. Clarke e freqüentadora do restaurante do Douglas Adams!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: