RESENHA – O MENINO QUE DESENHAVA MONSTROS

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×
DicadeLivro-O-Menino-que-Desenhava-Monstros
Fonte: @DarkSideBooks

O Menino que Desenhava Monstros, não foi a leitura mais fluida que eu fiz esses dias, talvez isso tenha acontecido porque eu li outro livro a pouco tempo Em Algum Lugar nas Estrelas, que tem o mesmo nome do personagem principal e a historia se passa na mesmo local o Mine, é claro que eu não gostaria que os personagens dos livros fossem parecidos e nem teria como eles serem, se fosse para comparar Jack com algum personagem do outro livro seria com Early, ambos são autistas porém um gosta de desbravar o mundo e aprender cada vez mais e o outros fica muito fechado em seu mundo e não está suscetível a mudanças.

Eu sei que o Autismo possui vários graus e cada criança reage de uma forma mas não foi isso que me fez não gostar do livro afinal é sempre bom conhecer outras perspectivas, mas eu achei a historia muito repetitiva, o foco nos mesmos problemas, as mesmas preocupações e os personagens me transmitiam uma sensação de vazio enorme, eu não me senti acolhida da mesma forma de quando estava lendo o outro livro. 

Historia: Jack Peter é um menino de 10 anos, ele estuda em casa pois tem Agorafobia é o medo de sair de casa, ele desenvolveu essa fobia depois de um acidente que aconteceu quando ele tinha 7 anos de idade, ele nadava com Nick Weller na praia, era o ultimo final de semana do verão e seus pais queriam aproveitar, ao descuidarem um pouco perderam os garotos de vista e correram em direção ao mar e perceberam que os meninos aviam se afogado, conseguiram recuperar os seus corpos e fazer os procedimentos para que ambos voltassem a respirar. Desde esse episódio Jack parou de sair de casa, começou a fica recluso no seu mundo, evitar o toque da mãe e do pai, o único amigo que continuava fazendo visitas era Nick os demais vizinhos achavam Jack muito estranho. 

Holly a mãe de Jack, por anos evitou falar o nome da síndrome do filho em voz alta, ela sabia que ele era diferente pois seu filho nasceu na mesma época que o filho de Nell Weller, Nick, o bebezinho dela não dava risadas, ficava sempre muito quetinho, levou um tempo maior para andar ou falar, enquanto Nick era super ativo e se desenvolvia rápido. Holly percebia as diferenças, as vezes se sentia mal por comparar as crianças e os médicos levaram algum tempo até notar que realmente havia um problema, ela acredita que com o passar dos anos vai ter que abrir mão do filho, arrumar alguém que possa cuidar dele, pois cada ano que passa ele se torna mais forte, apesar de ter problemas é um menino que está se desenvolvendo fisicamente de forma normal e as vezes causa problemas sem querer, como da vez em que ela foi acordar o filho e acabou com um olho roxo. Diversas vezes ela se sente uma péssima mãe mas que mãe não se sentiria assim sabendo que ela não tem como fazer nada para mudar a situação.  

o menino
by @DehFlowers

Tim Keenan é o pai de Jack, ele acabou tendo que abrir mão de vários sonhos para cuidar do filho, sua mulher ganhava mais no trabalho e dessa forma eles decidiram que era melhor para o casal que ela continuasse trabalhando e esporadicamente ele poderia arrumar trabalhos temporários para complementar a renda da família então ele passou a cuidar das casas da redondeza no inverno, enquanto os seus proprietários estavam fora, ele fica uma ou duas horas fora de casa e depois tinha o tempo livre para ficar de olho em Jack. Tim não consegue aceitar que o seu filho tem algum problema e ele acredita que o menino vai se tornar um garoto ”normal” com o passar dos anos, ele não vê que o seu filho está se afastando deles cada vez mais e seus surtos pioram a cada dia.  

E onde os monstros entram? 

Jack começa a desenhar monstros e sua mãe acha isso normal pois cada vez a sua atenção é presa em alguma coisa e vê os desenhos dele como uma forma de expressar os sentimentos porém essa fase dos desenhos estava demorando muito tempo para passar. No começos os seus pais não percebem nenhuma conexão do que esta acontecendo ao seu redor e os desenho do filho, eles começão a ser assombrados com um homem perambulando os arredores da casa, com barulhos na janela e algo tentando entrar na casa, esse terror se intensifica quando Nick vai passar uma semana na casa dos Keenan’s pois seus pais Nell e Fred Weller decidem fazer uma lua de mel para renovar o casamento. Nick também enxerga as coisas que o amigo desenha e é o primeiro a perceber da onde aqueles monstros estavam saindo e qual a forma para destruir eles. As consequências dos desenhos do menino ficam mais preocupantes até o dia que eles ficam sozinhos na casa e Nick descobre vários desenhos escondidos do amigo.  

Na história também temos presente o padre que mostra um quadro sobre um barco que naufragou na costa do Mine e a Srta Tiramaku que conta sobre os yurei, fantasmas de pessoas mortas que não conseguiram descansar e voltam para tentar levar com eles os vivos. Todas essas histórias e relatos impressionam cada vez mais Holly que começa a acreditar que há fantasmas que estão querendo mesmo afetar a vida dela e ela vai em busca de relatos históricos sobre o naufrágio e o medo toma mais força depois que ela e o marido acham um osso atrás da casa.

O desfecho da historia é muito bom e surpreendente e claro não merece ter uma zona de spoiler aqui, mais eu acabei esperando um pouco mais do livro. A tradução dele é muito boa e o acabamento também, a Dark Side tem um cuidado muito grande com os seus livros, ele também possui uma parte para você desenhar os seus monstros assim como Jack.

Sobre a edição da DarkSide1:

Título: O Menino que Desenhava Monstros
Autor: Keith Donohue
Tradutora: Cláudia Guimarães
Editora: DarkSide®
Edição: 1ª
Idioma: Português
ISBN:978-85-94540-01-0
Adicione: SkoobGoodreads
Especificações: 260 páginas (estimadas), Limited Edition (capa dura)
Dimensões: 16 x 23 cm

Autor: Keith Donohue é o autor do best-seller The Stolen Child, além de The Angels of Destruction e Centuries of June. Seus livros já foram traduzidos para mais de doze idiomas. O Menino que Desenhava Monstros chamou tanto a atenção do público que rapidamente teve seus direitos vendidos para o cinema. O autor, que tem Ph.D. em Inglês pela Catholic University of America, vive em Maryland. Saiba mais em keithdonohue.com.

Curiosidade: O Menino que Desenhava Monstros ganhará uma adaptação para os cinemas, dirigida por ninguém menos que James Wan, o diretor de Jogos Mortais e Invocação do Mal.

2Informações obtidas no site da DarkSide

Débora Santos Almeida

Autora de textos sobre automobilismo em especial sobre Fórmula 1, leitora voraz de livros de ficção científica, amante de Arthur C. Clarke e freqüentadora do restaurante do Douglas Adams!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: